Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






12 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 25 de setembro de 2009
Sempre te disse que "ou te tenho assim, ou prefiro nao te ter de todo" mas agora percebo que não tinha qualquer noção do que dizia. Claro que dói ter-te tão perto e não te poder tocar da forma que fazia, mas provavelmente não aguentaria estar longe. Passei os ultimos dois meses a desenhar mentalmente cada traço teu, mas a minha memória traía-me e fazia sempre questão de me confundir, nao me deixando ver exactamente cada bocadinho de ti ; porque uma parte de mim, por muito pequena que fosse, queria apagar-te por completo. Ao menos assim podia tentar convencer-me a mim mesma que aqueles pormenores teus que me alimentavam eram apenas fruto da minha imaginação. Agora, estavas ali. Nao tinha de depender mais da minha traiçoeira mente. Estavas mesmo ali e eu conseguia admirar todos os detalhes que outrora fazia questão de examinar cuidadosamente.

Estavas ali, em toda a tua glória e esplendor. E eu, verme insignificante também lá estava, morrendo por dentro e a fazer um esforço enorme para que não se notasse por fora. Como sempre, substimei-te. Como podia achar que era capaz de te esconder algo? Deveria saber que tu, melhor que ninguém, me conseguias ler mesmo que nao fizesse um unico movimento ou expressão. Assististe a todo o meu sofrimento, impávido. No entanto não reagiste.

Ninguém à volta percebia ou partilhava tal momento. Embora estivéssemos numa sala estupidamente cheia, o nosso silêncio gritava mais alto que qualquer uma das outras vozes. De mim saía ódio, rancor, tristeza e, principalmente, saudades. De ti emanava calma e conforto. Ainda me hás de ensinar a exprimir silêncios e silenciar palavras.
 
ps: esquece tudo isto. és lixo.