Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






16 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 28 de novembro de 2010
Acabas pedindo desculpa em vão. Tornas-te personagem secundária da tua história principal. Elemento frívolo num jogo doentio. É o que acontece, quando o coração se te é arrancado com a brutalidade de um sorriso.





9 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 27 de novembro de 2010
inês, 19 de abril de 2010.
Há palavras que fazem recuar e gestos que estrafegam corações em jeito de decadência.



12 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 24 de novembro de 2010
- Que cor te lembra o amor?
- O meu amor, o amor que me pertence, é magenta, dos corações pintados. O teu não sei.





10 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 21 de novembro de 2010
- Parti-te o coração?
- Em estilhaços.



14 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 16 de novembro de 2010
Vou ter muitas saudades tuas. Mesmo que seja praticamente a mesma coisa, porque agora estás perto e longe ao mesmo tempo. Mas depois de amanhã vais estar longe, vais estar definitivamente longe. Tu fazias o mundo parecer pequenino, e eu gostava dele assim. Cabia-me em mão fechada. Vou ter muitas saudades, vou mesmo. 



21 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 13 de novembro de 2010
Causaste-me desconforto, ontem. Estive no único sítio onde tudo permanece igual. Onde eu nunca desvaneci de mim, onde tu nunca chegaste a ir embora. Onde permanecemos abraçadas, calcando o chão, numa tentativa de chegar ao céu. Onde tu ainda és tu, e eu já sou mais eu. Entristece-me saber que caímos no eterno cliché do amor embalado e acabámos por desabar em desencontros de almas, arritmias de coração. Fugiste-me, princesa.



16 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 11 de novembro de 2010
He just stopped loving me, okay? That's what happened. I did not cheat or made his life a living hell, I didn't even say something wrong. He just woke up one day and realized he didn't like me anymore. Okay? He loved me very much, but then he stopped. He just stopped.

Em inglês dói sempre um bocadinho menos.

9 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 10 de novembro de 2010
É daquele tipo de pessoas que deveria estar numa caixinha transparente, para que todos pudessem apreciar a leveza do seu ser e a perfeição do seu olhar mas onde ninguém,absolutamente ninguém, pudesse danificar a sua ligeira doçura, transformando-a em amargura desgasta. Que nunca ninguém o faça.
Partir-me-ia o coração vê-la com farpas na alma.


19 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 6 de novembro de 2010
O Sam contou-me que os bonecos e os desenhos animados choram quando nos esquecemos deles. Quando não lhes prestamos atenção. Sentem-se desnecessários e por isso ficam tristes.
e eu acho que as pessoas também.
(não te esqueças de mim quando estiveres muito longe, não deixes o mundo ficar maior.)

13 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 3 de novembro de 2010
E, gritando por atenção, um ponto final. Barrando tudo o que lhe pudesse seguir. Tudo o que lhe antecedeu. Sem quaisquer indícios que o pudessem prever. O crime perfeito. Ali, tentando passar despercebido. Complicado e perfeitinho, como eu era. 
Ponto final; pausa para respirar; a história recomeça, de novos contornos.