Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






25 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 30 de abril de 2010
É o que mais me atormenta e repele. É um desejo gelado impondo calafrios. Gosto de emoções fortes. Das que se puxam, arrancam e amputam. Unhas dilacerando carne e palavras dilacerando almas. Abomino meios-termos. Tolice a minha. É a paixão que não sinto em ninguém, é essa que eu quero. São as montanhas-russas de subida em espiral e descida a pique. É o que quero provocar. Insanidades. Quereres. Ser agarrada pelo pescoço e atirada contra uma parede. Despertar maus génios e soft sides
Emoções fortes. Quero-as assim, em vermelho cereja.



23 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 28 de abril de 2010
- Sabes, és demente. Não sorris com os lábios mas, quando te perguntam, afirmas estar em êxtase interior. És extremamente desajeitada, mas não desgosto disso. Dá-te um jeito diferente, uma terna singularidade. És uma espécie de mistura de Frankenstein e branca de neve. Gostas de contos de fadas -   distorce-los até ficarem à tua medida. Macabramente aprazíveis. Não há quem te entenda. O que realmente me arrepia é seres extremamente coerente. Sabes que a vingança é um veneno letal que nos turva o sangue mas não negas o prazer que tens em aplicá-la nos outros. És como pólvora - até queimas. óh se queimas. Mas de forma passiva. Nunca interferes com vidas. Planeias, executas e limpas o sangue das mãos, mas tudo apenas na tua mente distorcida. Vá-se lá saber que tipo de atrocidades imaginas tu cada vez que sorris. Mas tens o teu lado doce. Não lhe chamaria meiguice, talvez sejam pequenos raios de luz branca refractando nas quatro paredes pretas do teu coração.
- Engraçado; julgava-me opaca.

9 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 27 de abril de 2010
- Quem aqui estiver para passar o tempo, faça favor de sair.
Ninguém se atreveu a mexer um músculo. A mulher fitava o grupo de meninas assustadas onde eu me incluía. Fez-se um minuto de silêncio profundo. Prosseguiu então:
- Isto não é um passatempo. É uma filosofia de vida. Estejam bem preparadas: iremos remexer no mais ínfimo pormenor. Tudo o que são começará a fervilhar. Se pensam que vêm para aqui esquecer tudo e descontrair, estão bem enganas. Tudo o que vos doeu vai ser relembrado, tudo o que alguma vez vos fez mal vai voltar como se nunca vos tivesse abandonado. E vão chorar. Vão gritar. Provavelmente até vão achar que não aguentam mais. E provavelmente será verdade. E é aí que se vê quem gosta e quem precisa.


(odeio TANTO este post. mas não quero apagar.)

16 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 26 de abril de 2010
São pensamentos escarlate que se assenhoram de mim . Atrocidades concebidas. Pensei em estrafegar-te o coração. Óh demência. A ti. Tirar-te a ti. Tu que me és tudo. tu que me fazes ebulir lágrimas - lágrimas quentes são as de felicidade, sabes?  
quando pedi que não me largasses juraste nunca fazê-lo - que ideia obtusa foi essa? promessas destas são para ser atiradas ao vento e não lapidadas em vidas, moço. Resultam em mau karma quando quebradas. mas tu não aprendes, caramba. nem tu nem eu.
Day 20 -   - Your favourite song, at this time, last year.

24 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 25 de abril de 2010
- é que tipo.. gostava que as pessoas gostassem umas das outras de outra forma, sei lá. que em vez de dizerem "eu gosto de ti porque és simpática e muito bem educada" dissessem "eu gosto de ti porque quando andas formas um arco perturbadoramente querido com a parte superior do teu corpo, e só eu o sei."
 - Não as podes culpar por não verem o que tu vês nos outros, Inês.
Só ele entende . 
Day 19 -   - A song that makes you laugh.


12 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 24 de abril de 2010
Aconchegas-me o coração, sustens-me no ar. Ameaçar largar-me e eu tremo - não é que não confie, mas tendo a arrufar com a gravidade. Quando a gente gosta é claro que a gente cuida. E eu cuido, a meus modos. Guardo bocadinhos de ti numa caixinha de veludo com seu lado avesso liso. Não tos tirei, atenção - continuam a ser bocadinhos de ti. Ainda te pertencem. E um dia, serão teus de novos. E eu sei-o. Mas que posso eu fazer? quando a gente gosta é claro que a gente cuida.
Day 18 -     A song that you want to play at your funeral.

11 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 23 de abril de 2010
A minha Lis. Não havia forma de lhe negar o encanto. Iam adorá-la. Sorria com o coração para toda a gente, mas não o dava a ninguém. Eu gostava que assim fosse. Sem o cuidado necessário, alguém acabaria fazendo dela estilhaços. Tão frágil, a minha jasmim. Mas entendia-a. Éramos semelhantes nesse aspecto. Não sou afectuosa, nunca o fui. Mas com Lis as palavras doces jorravam-me dos lábios. Sempre que eu a avisava sobre as pessoas que não vêem nuvens cor-de-rosa, e como essas pessoas podem ser cruéis perante a sua doçura ela repetia: «gosto muito de ti.» Conhecia o apreço que lhe tinha. Conhecia todos os meus medos e sabia os medos que possuia em relação a ela. Então eu respondia: «também gosto muito de ti, Lis.» Porque gostava realmente muito dela. Era a minha bonequinha de porcelana. Conhecia-me como ninguém.
Day 17  -      A song that you want to play on your wedding.
Stupid girl, everything you had you wasted. ahahah.

9 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 22 de abril de 2010
- Desapaixonei-me por ti.
- Como...?
- Li nas entrelinhas e desquadifiquei expressões. Tu não gostavas de mim. Eram só grãos de afecto que acabaram queimando-me os olhos. Amor das horas vagas, era o rótulo do meu frasco. O que arde cura, então o que queima acaba saturando. E saturou mesmo, acreditas? Não hás de acreditar. Nunca foste pessoa de me ceder algum crédito. Nunca me acreditaste.  
- Quero-te de volta.
- Eu sei. E sabes o que é que eu quero mesmo? Olhar para baixo e ver o Sol chorando sumo de morango. Acho que ambos teremos de esperar, que o Sol anda ocupado. É ele e eu.

Day 16  -    A song that you listen to when you're sad.

4 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 21 de abril de 2010
Day 15 -     A song that you listen to when you're happy.
I'm in love with how you feel ♥

19 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 20 de abril de 2010
Pessoas não possuem pessoas. Por muito que queiramos, por muito amor que lhes atiremos, nunca serão nossas. Acabam por partir, deixando para trás um vazio meio cheio. sede de liberdade idealizada - um dos mais perigosos venenos.
Mas eu quero lá saber. olá, sou a inês. a tua inês.
Day 14  -    A song that you listen to when you're angry.  

8 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 19 de abril de 2010
Distorces a realidade, teimas em virar a verdade do avesso. E é por esse motivo que nunca te direi.
Chama-lhe cobardia - chamar-lhe-ei invólucro seguro.

Day 13 -     A song from your favourite album.
In Utero.

8 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 18 de abril de 2010
May be the face I can't forget.
A trace of pleasure or regret
May be my treasure or the price I have to pay.
She may be the song that summer sings.
May be the chill that autumn brings.
May be a hundred different things
Within the measure of a day.

May be the beauty or the beast.
May be the famine or the feast.
May turn each day into a heaven or a hell.
She may be the mirror of my dreams.
A smile reflected in a stream
She may not be what she may seem
Inside her shell

She who always seems so happy in a crowd.
Whose eyes can be so private and so proud
No one's allowed to see them when they cry. 
She may be the love that cannot hope to last
May come to me from shadows of the past.
That I'll remember till the day I die

day 12 -     A song that describes you.
(epá, apeteceu-me fazer um novo blogue.)

11 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 17 de abril de 2010
O seu jeito de menina em contraste com a lama nas suas sapatilhas. Paradoxo vivo. Bonequinha de porcelana, a minha Lis. De bochechas rosadinhas e lábios carnudos. Sempre que me via em apertos, sempre que a vida me trocava as voltas e esborrachava o coração, era ela que eu ia ver. Não fazia um único som, esperava que ela desse conta da minha presença e soltasse a gargalhada do costume. Sabia-a de cor. Sopro do coração, espanta-espíritos movimentado pelo vento. Gargalhada morta de uma alma gritando felicidade. Por vezes evitava que me visse de imediato. Não a queria interromper. Observava-a de longe. Era de uma graça tremenda, a minha jasmim. Sempre que dizia que me ia embora, ela serrava os lábios e não voltava a falar até eu sair da casa. Não que ficasse ressentida - simplesmente abominava despedidas. E eu não me ralava. Sabia que dentro de 5 minutos, quando chegasse a casa, sentiria o telemóvel vibrar. Nunca variava: ouvia-se um suspiro forçado, era ela a engolir o seu orgulho. Depois indagava, com desdém :
- Quando voltas ?
Day 11 -      A song that no one would except you to love.

16 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 16 de abril de 2010
Há pessoas que são como lufadas de ar fresco em dias abafados.

Day 10 -      A song from your favourite band.
(btw, não tenho banda favorita)

11 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 15 de abril de 2010
(...) o ódio e a traição corriam-lhe nas veias. Agora, nada havia a fazer. Sabia que quando lhe perguntassem, mais tarde, de onde brotou toda aquela amargura era aquele momento que ela iria narrar. Sabia que era  uma das mais dolorosas reminiscências da sua vida, daquelas que cravam a carne como punhais  - É o que acontece, com os venenos imperecíveis.
Day 9 -     - A song that makes you fall asleep.

14 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 14 de abril de 2010
A minha Lis. De caracóis loiros servindo de moldura de ouro ao verde selvagem dos seus olhos. Não a associava à flor-de-lis. Fazia-me antes lembrar jasmim. Aroma inconfundível, personalidade singular. Éramos derradeiros opostos, unidas por uma característica comum – éramos ambas puras idealistas. Sentadas no chão concebíamos tudo. Ouvia-a contar histórias que se teriam passado em casas cor-de-rosa com meninos feitos de algodão -doce. Quando não me deixava envolver nos contos preenchidos de pózinhos de perlimpimpim pensava como era frágil, a minha Lis. O meu jasmim branco e perfumado. E a imagem de alguém a desfazer-lhe os sonhos em ripas partia-me o coração. Então repetia-lhe, no final de cada narração: «nunca deixes ninguém roubar-te os sonhos, lis. Nunca permitas que alguém te acorde». E ela sorria, com a sua habitual doçura.
 A minha Jasmim adoçicada, tanta falta me faz agora.
Day 8 -      A song that you can dance to.

15 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 13 de abril de 2010
Em pequena achava que o amor era, em suma, ter mais ar nos pulmões. A opinião mantém-se.
Day 7 -         A song that reminds you of a certain event
Wrong or right
Black or white
I's all the same
I don't mind,  I don't care
As long as you're here.

16 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 12 de abril de 2010
Day 6 -      A song that reminds you of somewhere.
Guitarras e leitinhos de chocolate. - óh que belas tardes.
(se desejam mesmo perder o vosso tempo, percam-no com o post de baixo e não este.)

14 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 11 de abril de 2010
- Já estabelecemos que não somos semelhantes, permanecemos reflexos espelhados. Mas ainda assim... Não possuo a tua sensibilidade. Tu vês mais. Identificas cicatrizes em olhares, quebras em movimentos. Ver pessoas virando estilhaços. Vidas lascarem. Tábuas partirem. Tudo se quebra à tua volta, mas manténs-te intacta.
- É isso que te faz confusão?
- Não. O que me faz confusão é partilhar dessa tua visão. Tudo se desmorona. Toda a carne se dilacera. Todo o tecido cicatriza. Todos os sentimentos se fragmentam. E nós permanecemos, sacundido o peso dos nossos ombros. Colhendo lágrimas, como se nada fosse. Olhando para o pior dos cenários e soltado uma gargalhada irónica.
- Nós somos diferentes. Embora tu estejas, à tua maneira, tão danificada quanto eu.

Day 5 -     A song that reminds you of someone.
How could you be so heartless?

10 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 10 de abril de 2010
«A alegria está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita. »
Mahatma Ghandi


Day 4 - A song that makes you sad (esta merecia video inteiro.)
Why do I wish I never played
Oh, what a mess we made
And now the final frame
Love is a losing game
You're a gambling man, hum?

11 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 9 de abril de 2010
São deslizares. Trava-línguas virando trava-corações. Escorregadelas momentâneas, desafiando-nos. Monólogos e pedidos de silêncio. Ooooh. Coraçõezinhos estalando dando-nos tratamentos cruéis. Sons agudos vindo de lado nenhum. Ooooh. Desculpe o auê, eu não queria magoar vocêêêê. Não foi ciúme, não. Grãozinhos de pó atirados aos teus olhos. Brincadéra infeliz. Me desculpa.


    Day 3              -   A song that makes you happy.
becauseeverysincethefirstdanceallIthoughtaboutis LOVING ON YOU!
shoobeedododo (8)

23 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 8 de abril de 2010
opostos, os meus queridos opostos. Bonitas antíteses. Paradoxalmente iguais. São como azeite e água que nunca se fundirão. São sedutores contrastes que em mim se reflectem e penetram. São como a vida e a morte, unidas por um fio de lã cor-de-rosa. São preto e branco, no meu fundo cinzento-claro.São paixão e amor. Inimigos numa guerra mental. Ódio e paz, convertidos em pão-de-ló fofinho. Tchaikosvky e Metallica, numa sinfonia estragada. Chá e gelado. Chama e gelo que se juntam e criam um friozinho quente na barriga. Quadrados e triângulos. Gatos e pássaros, ladrando. Bipolaridades singulares.
Tu e eu, num arco-íris unicolor…

Day 2 -           Your least favourite song.
hate it.

24 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 7 de abril de 2010
(...)
- Então dançar é escrever?
- É como se fosse. Mas dançar pode ser muitos mais. Não tens limites de página ou falta de carvão. Ficas livre. Naquele espaço limitado que te serve de palco ficas terrivelmente livre. E a liberdade é uma coisa complicada, nem sempre vem na forma que desejamos. Transcende-nos, e há que ter cuidado com coisas assim. Terá decerto repercurssões. Por isso é que para dançar é preciso mais. Descontrolo totalmente controlado, é um dos pré-requisitos.

 
Day 1 -             Your favorite song.

7 Cubos de gelo
Comenta



He plays me like a piano.
She believed.

20 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 5 de abril de 2010
Eu não quero falar para ti, em parte porque não o sei. Porque tu és bem capaz de me dizeres que não gostaste que o tentasse fazer. É difícil, assim. É difícil, esta nossa amizade conturbada, cheia de falhas e retalhos. Umas vezes somos muito menos que amigos, outras vezes somos mais. Umas vezes sorrimos, outras lacrimejamos.infligimos dor um ao outro. Umas vezes compreendemos, outras nem fazemos por compreender. Funciona assim a nossa amizade disfuncional. Funcionamos assim nós, sem o mínimo de nexo ou solidez. E talvez só funcionemos por todo este abismo que se cria e nos difere em todas as medidas possíveis. Não me suportas, não te suporto.
E assim funcionamos, sem funcionar.
 

19 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 3 de abril de 2010
Eras de poucas palavras e muitos silêncios, poucos dissabores e muitos calares de coração, como tu dizias. Porque perante ouvidos moucos o coração cala. Inteligentes, esses pequerruchos. Mas corações corações, há que ter cuidado com eles. Saltam-nos do peito e vão ter com o moço que querem. À descarada. Renegam-nos os direitos de posse e dão-se logo a outros. Vadios. E quando os tentamos recuperar, com meia dúzia de lágrimas e olhares vazios, eles viram costas, fazendo de conta que não é nada com eles. E depois há os que se estatelam no chão. PUUM! E lá temos de ir nós consertá-los. Corações não são pêra doce. Cá eu, neles não confio. Os dos rapazes não são assim. Não se atiram à tresloucada, não senhora. Esses vêm devagarinho, cheiosdaestilo e se for preciso ainda fazem umas paragens pelo meio.  Os nossos, fogem para não mais voltar. são uns fedelhos mimados. óh se são.

14 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 2 de abril de 2010
- Tu não sabes o quanto eu te quero.
- E tu não entendes o quanto te preciso.

16 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 1 de abril de 2010
Tu queres mais. Em silêncio, queres tudo.
Roubar uma estrela, guardar o mundo numa mão fechada.
Eu não conto a ninguém. Desde que tragas uma para mim.

6 Cubos de gelo
Comenta



«Tantos homens te mataram antes de morreres - pelo menos não saíste da vida sem a tua dose de sofrimento eufórico, aquilo a que chamavas de felicidade. Eu punha defeitos em todos para que tu continuasses disponível para mim. Não era ciúme; achava graça aos teus dilaceramentos passionais, e nem um limo da minha alma se movia ao imaginar-te nos braços deles.»
Inês Pedrosa, Fazes-me falta
É isto que acontece contigo?