Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






8 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011
Estou louca, mas estas pessoas perturbam-me. Desfaço-me a cada grito. Como se estas vozes perdidas em corredores brancos me cortassem o peito. Mas afinal, são como eu. Um espelho da minha própria alma. É por isso que eu estou aqui, não é? Porque nada do que vejo é real. Gostava de saber, minha querida Inês, o que farias na minha situação. Tu, sempre tão controlada, com esse teu ar de menina e leveza do ser. Queria-te ver dentro destas paredes brancas, a observares a tua realidade quebrar quando alguém grita de tal forma que o silêncio que o segue torna-se aterrorizador. Se visses a loucura nos olhos deles - se visses a dor nos meus.
Um dia, 
Cíntia.
Os alter-egos são-me necessários. São mais que um ponto de fuga, são uma realidade interior.

15 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 26 de fevereiro de 2011
As pessoas fazem-nos falta, quer queiramos admitir quer não. Esses bocados de carne deambulantes fornecem-nos sonhos,constroem apatias, criam dor. Convertem amor. Pegam em músculos, apertam-nos demasiado e constroem movimentos. Gritam em silêncio, berram em bateres de pé. São-nos tudo, e não valem nada.



9 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011
Gosto de ti por causa dos aviões de papel que parecem pássaros, e eu nunca sei se são aviões ou pássaros, e tu dizes-me sempre que são só borboletas com asas esquisitas e motores.




10 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011
- E hoje...apetece-te falar de amor?
- Ah, hoje sim. Hoje sou só feita de amor. Como um rebuçado torcido nos dois lados. Encheram-me a alma de marshmallows mais fofinhos que pedaços de algodão. Ofereceram-me bocados de ternura de mãos abertas. Em beijinhos no nariz, abraços apertados e sorrisos retraídos. Hoje apetece-me falar de amor, sim - mas daquele que nos deixa sem jeito, que só nos faz bem. É o melhor tipo de amor que conheço. E nem envolve amor de verdade, já viste?

(esta pergunta foi-me feita pela Vera, via Formspring.)

11 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 20 de fevereiro de 2011

- Não tive oportunidade de te dizer adeus.
- Adeus então.
- Adeus.
- E agora?
- Agora não vais a lado nenhum, que eu conheço a afinação da tua voz quando mentes e sei como esses adeus são paradoxos do que queres dizer. Costumavas dizer adeus assim quando estavas chateada comigo e fingias querer que eu fosse embora.
- Não me deixes ir.
- Nunca me passou pela cabeça tal disparate.



9 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011
- E a apatia, de onde vem? 
- Dos golpes de coração. Ninjas demasiado bem treinados.


10 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011
Acho adorável a forma bruta como olhas para mim de vez em quando. Como se estranhasses a minha presença em ti, como se me estivesses a analisar por dentro, como se fôssemos duas pessoas que gostam muito uma da outra a atingirem-se na intensidade de um olhar. É o tipo de coisas que me petrifica, é o tipo de coisas que gosto em ti.



4 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 15 de fevereiro de 2011
És feita de algodão doce, amachucas-te tão facilmente quanto um pedaço de papel. Irradias felicidade mesmo quando choras e os teus olhos ficam muito brilhantes e grandes. Pareces Verão, mesmo quando é Inverno. São pessoas assim que eu gosto, daquelas que trocam estações cá dentro.




3 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011
Hoje, logo hoje, não me apetece falar de amor.



11 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 12 de fevereiro de 2011
- Foi amizade ou amor?
- Relação conturbada. Amizade com forro. Amor rendado. Felicidade destilada. Gostava de te dizer que foi uma amizade muito forte; mas não. Não há amizade perdida que doa assim.

A minha Maria é um amor.  E eu não lhe digo isto vezes suficientes.

9 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Amor. Sabes como andamos sempre a sentir que não pertencemos ao sítio onde estamos, que algures no mundo está o lugar perfeito, a utopia das nossas vidas? Amor é quando olhas para alguém, e em vez de uma pessoa, vês um mundo. É quando estás nos braços dela, e sentes o friozinho na barriga, a felicidade de saberes que finalmente voltaste a casa. Mesmo que nunca lá tivesses estado antes.



3 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 8 de fevereiro de 2011
- Estás na primeira e na última página do meu notebook, que engraçado.
- E aposto que pelo meio também.
- Sim, mas pelo meio não tem tanta importância: são as reviravoltas, os avessos, as lágrimas, as bipolaridades.
- São, basicamente, tudo o que fomos.
- Sim. Mas o início e o fim são semelhantes, sabes? Não me és nada em ambos.



7 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 5 de fevereiro de 2011
- Queria ter coração de plástico e alma de plasticina, 
- E o que fazia eu com uma Inês que não tem o coração de ferro ou a alma de papel? O que fazia com uma Inês que não é a minha?
- Eras bem mais feliz.



10 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 1 de fevereiro de 2011
Se algum dia olhar para ti e vir a pessoa que eu conheci, a pessoa por quem eu larguei tudo o resto, a pessoa mais bonita deste mundo, dou-te um estalo por a teres feito desaparecer.