Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






13 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 6 de agosto de 2010
De todos a quem já escrevi ou escreverei uma destas cartas, és talvez o único a quem a acção não me é estranha. Esta não é a primeira que te escrevo. As demais nunca te chegarão às mãos, mas permanecem minhas por muito tempo. Não conheces o carinho que ainda te tenho, o afecto que te dou sem que repares. Magoaste-me tantas vezes que é impossível não te sentir ainda a cortar-me em pedaços. Mas fizeste-me bem, até quando me fizeste mal. Sabes o que abomino? A barreira psicológica que se criou entre nós. Não gosto de não puder dizer gosto muito de ti sem ser mal interpretada ou sem que me magoes de uma qualquer forma. Não gosto do nosso desapego emocional nos dias que correm. Queria-te meu, ligeiramente, sem o fardo pesado do amor. Queria puder chamar-te amigo, com todas as funções que o eufemismo acarreta.
Da nés, lembraste? aquela que tchi amava com tudo o que tinha. 
Letter #7 - to your ex-boyfriend.

18 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 5 de agosto de 2010
- com que facilidade entregas o teu coração?
- não o entrego. foge-me por entre dedos, de vez em quando. é manteiga que corta, entendes?

11 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 3 de agosto de 2010
Hoje passei pelo estúdio, mas nem me dignei a entrar. Tenho saudades, é certo, 3 dias soam-me a tempo que o próprio tempo deixou esquecido à deriva num mar de efemeridades. Estavas lá, mas não te queria ver. Tinha o ego no auge, a felicidade a roçar o céu, e não te queria a desfazê-la em pedaços. Cativaste-me desde o primeiro momento, é o problema que tenho contigo. Acho que nunca te contei como me rendi à meiguice que não possuis. Como me agrada a tua simpatia não sentida. E como gosto do amor que não me dás.

(na foto: cláudia e paula, companhia de dança de almada)

17 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 2 de agosto de 2010
Havia aquele desafio de associar uma música a um blogue. A grande Gabriela deu-me uma almost lover suave e perfeitinha, e a t-t-t-teresa deu-me o dueto daquele homem gigante que é o ville vallo com a mana.


Tenho de passar a cinco, retribuo a quem me mandou, e desculpem mas agora vão ser os primeiros que me lembrar:
- Marilena: Pedro Abrunhosa - Balada de Gisberta (ela vai entender)
- Girl in Motion: Conjure One - Extraordinary Way 
- Only Me: Matthew Perryman Jones - Save you
- Jane: Jamie Cullum - Photograph
- Filipa's: Nina Kinert - Combat Lover
- Nikkie: Florence + The Machine - Cosmic Love (olha que eu gosto mesmo muito da música, ouviste? é pra veres como te trato bem)
- Marie Curie, a minha marie: Macy Gray - Beauty in the world
- Filipa: Keane - This is the last time
- Annie: The Kooks - I already miss you
- Lá love: John Mayer - Gravity
- Vera: White Stripes - Fell in love with a girl
- Color Dream: Nirvana - Heart Shaped box
Eu sei, entusiasmei-me. Me o vosso nome não está aqui, sintam-se livres para postar um comentário insultuoso, 
de forma a que da próxima vez eu nem me atreva a esquecer.

16 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 1 de agosto de 2010
Acordei a pensar em ti, e desta vez não foi a pensar nos movimentos imperceptíveis que fazes com os cantos da boca ou a força do teu olhar de castor quando pára e fixa o meu. Hoje acordei a pensar em ti, e hoje já não me fascinavam os teus movimentos involuntários ou o timbre da tua voz. Não és amor, não és paixão, não és nada. É antes admiração exagerada, apreço em demasia. És tu, um eu um tanto adulterado. Similaridade de alma incrível, e tu nem disso te apercebes. És eu de ternura e delicadeza até à ponta dos cabelos. És tu, que és eu. És tu e sou eu, que somos o mesmo. Por isso se calhar eu estou é baralhada e só gosto é muito de mim, não achas?
Sabes o que eu quero? Que um dia alguém goste de mim como eu gosto de ti. Nem precisas de ser tu.