Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






7 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 31 de maio de 2011
Ela? Ela é o ser mais perfeito que já vi. Não é particularmente bonita, tem a ver com a forma como se move. Cada movimento é irresistível, cada olhar é cheio. Encantava-me tanto, tanto. Era como se a conhecesse só de poder olhar para ela. Nunca vi ninguém tão interessante. E depois sorria-me, olhava-me com as duas bolas brilhantes que tem nos olhos, falava-me, e sem querer envolvia-me deste amor unilateral. Ao início era irrelevante. Depois comecei a querer tê-la nos meus braços. A preocupar-me com as nódoas negras que tinha nas pernas, a decorar-lhe as variações de cor dos olhos. Comecei a chatear-me quando ela não me prestava a atenção que eu queria. Parece sempre tão forte, mas não é. E as pessoas têm de saber disso, para pararem de a magoar tanto.




4 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 29 de maio de 2011
Raiva. Uma sala vazia. O eco do sofrimento: o silêncio. A ausência de som. O gelo dos corpos empacotados em ilusões profundas. O buraco. A queda. Da altivez, se calhar. Das almas, diria-o eu. A tensão dos músculos. A dificuldade do movimento. O medo a tomar proporções exageradas. Deixamos de respirar, e só depois deixamos de nos mover. Estamos mortos, finalmente.



11 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 27 de maio de 2011
- Sofres sempre tão sozinha.
- A dor é um sentimento individual, um pesar unilateral: a minha dor não é a mesma que a tua. Nunca vou sofrer como tu. Vai ser sempre um sofrimento solitário.
- Como? A tua dor chega-me sempre à derme. Parece superficial, mas arranha e fere. Chega a fazer-me contorcer tanto que acabo chorando em posição fetal.
- A minha dor infiltra-se em ti?
- Como todos os outros pedaços do que és.



7 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 26 de maio de 2011


- Sujeitamo-nos a montes de merdas pelas pessoas de quem gostamos.

- Nunca te ouvi falar assim. Quem quer que te tenha sido, lixou-te mesmo. Desfez-te os sonhos e esmigalhou-te o coração que costumava parecer sempre tão inteiro.


EyeCandy #19 /DV

8 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 22 de maio de 2011
- Pareces-me uma pessoa muito altruísta.
- Não, de todo, sou aliás muito egoísta. Descobri que é preciso sê-lo para saber tomar conta de mim. Quando não parava para tomar conta de mim, acabava perdida num mar de quases e copos meio-cheios. Meios termos abomináveis. Mas isto não quer dizer de modo algum que não sou capaz de dar a minha vida por certas pessoas, mas não seria por altruísmo, seria apenas motivado pelo amor. Era quase que acidental. Faria-o porque sei que não suportaria viver num mundo em que elas não existem. Egoísmo? Muito. Amor? Em demasia.




3 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 21 de maio de 2011
- É amor?
- É proximidade solidificada, partilha de corações. São noites a ver as estrelas e dias de conversas intermináveis. Abraços apertados e ternura aos bocados. É amor, são muitos pedaços de amor espalhados em dois corpos, e ainda assim não envolve amor nenhum.



2 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 19 de maio de 2011
Estás escrita nas flores, gritaste o teu nome ao Sol. Viveste em cada pétala de rosa, calcaste cada pedaço de chão. Encheste a rua com o teu cheiro, que agora funciona como veneno letal para o meu corpo. És um fantasma na minha vida, e agora não consigo mais negar a tua presença. Passeaste e dançaste sem rumo, correste sem intenção, cravaste o teu nome na minha alma sem querer.



8 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 17 de maio de 2011
- Existem coisas que não contas a ninguém?
- Existem coisas que calo até de mim mesma.




8 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 15 de maio de 2011
Escrevo por gosto. Pelo prazer de sentir o bico afiado do lápis a cravar o papel. Pelo som quase inaudível do carvão raspando o papel. Escrevo pelo deleite de abrir o caderno e o ver escrevinhado, borratado até, de sentimentos fátuos, de sensações ligeiras. De amor sob diversas formas.



8 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 14 de maio de 2011
- Esperamos mais das pessoas do que elas podem dar, é o que é.
- E depois vem a desilusão. E depois vem a ilusão de novo. E depois apercebemo-nos que o problema afinal é nosso. Depois fingimos que não, e continuamos à espera que consigam ser tudo o que precisamos que sejam. Um reflexo nosso, moldado aos nossos olhos. Dito desta forma parece uma ideia demente. Mas o que somos nós, senão isso?



8 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 12 de maio de 2011

Um dia fotografo todas as tuas expressões, deixo-as espalhadas em bancos de jardim e  faço o mundo apaixonar-se por ti.




9 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 10 de maio de 2011

«O café estava sempre demasiado quente. O tabaco era sempre inconfundível, fumavas sempre em compassos certos e com a mesma intensidade. A morfina psicológica do ar que te rodeia ataca-me sempre todos os músculos e faz a minha alma tombar. Na mão trazias um pequeno livro de páginas já amarelas, desgastado pelo tempo. Disseste-me que podia cheirá-lo, sabendo ser o vício de qualquer leitor. Estávamos separadas por uma distância mental enorme, um abismo psicológico. Este bilhete era só para te deixar saber que foi a primeira vez que me soube tão bem estar tão afastada mentalmente de alguém, e ainda assim a sentir-te tanto em mim. Podias deixar-te ficar aqui para sempre. Levemente, esquecendo o amor. Podes ficar em mim para sempre.»



12 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 7 de maio de 2011
Gostava de ser contadora de histórias. Gostava de partilhar mundos e de escrever com canetas de feltro na alma de toda a gente. Gostava de desenhar sonhos em corações e folhear pessoas como folheio livros. Gostava que fossemos menos de ferro e mais de papel, que fossemos mais de tinta permanente e cantos vincados do que somos de carvão.

halus:

(by danske)

21 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 3 de maio de 2011
- É-te pior perder alguém por um erro teu ou deles?
- Por um erro meu. O peso da culpa é um fardo pesado para o coração aguentar.


8 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 1 de maio de 2011
- Inês?
- Sim?
- Como achas que seria a tua vida se não me tivesses conhecido? Achas que seria diferente?
- Era muito diferente. Sem ti seria menos doce, menos algodão, menos boneca de vida. Seria um bocadinho mais triste. Um bocadinho mais fria. Mais céptica. A magia seria-me um conceito abstracto, e provavelmente iria dar mais valor às coisas literais.
- Também me sinto assim, sabes. Acho que se não te conhecesse, ia achar as coisas que as coisas que me fazem especial defeitos. Seria apenas estranha.