Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






6 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 30 de junho de 2011
Gosto das minhas zonas de conforto, admito. De me sentir segura por fiozinhos de aço e pessoas de algodão-doce. Gosto de pijamas azuis clarinhos que fazem lembrar abraços. Gosto do verniz transparente que é quase quase branco e de ver a rosa vermelha no cabelo preto ligeiramente ondulado. Gosto de longas tardes de verão e pessoas ligeiras, como uma brisa de ar fresco. Gosto de papoilas e jasmins. Olhos grandes e abraços fortes. De grandes baldes de gelado às cores. Gosto de smarties e de unicórnios, porque são mágicos. Gosto de tudo o que seja surreal. Gosto de diferenças e singularidades adoráveis e de amor aos bocadinhos.



4 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 19 de junho de 2011
Livre. Movimentava-se com uma fluidez particular, nunca deixava o movimento morrer. Mesmo quando estava imóvel, era visível a olho nu o percurso do sangue pelas suas veias.
Falava comigo e ria. Falava comigo e dava gargalhadas encantadoras de tão pouco controladas que eram. Não era bonita. Era, aliás, particularmente desinteressante fisicamente, com o seu tipo de corpo comum e cabelo escuro liso. Particularmente sem graça. Estranha. A forma como descrevia histórias macabras sem ser denunciada pela expressão do seu rosto era aterradora. Falava pouco, ria muito. Era tão sem graça - e eu engracei com ela.



4 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 16 de junho de 2011
- Achas que sou uma pessoa má lis?
- Não, porquê?
- Tanta gente me o diz que começo a acreditar.
- Não, estás terrivelmente longe de ser má. És uma pessoa boa, só que ficas confusa muitas vezes porque não queres magoar os outros, e acabas por magoá-los na mesma sem querer.
- E não consigo deixar de estar.
- Eu sei, mas não faz mal. Quando não te confundes fazes muito bem a toda a gente. A mim fazes sempre, mesmo quando a tua cabeça é só riscos.



5 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 13 de junho de 2011
Os batimentos metamorfizam-se. Tum-tum, amei-te. Tum-tum, morreste em mim. O mundo parece desabar. É adorável, a coordenação dos batimentos. A forma como ficamos envolvidos na melodia e deixamo-nos ficar dentro de nós por um bocadinho. De repente, tudo pára. De forma brutal, quase macabra. O som ausenta-se, a sinfonia estragada regressa. Gosto de fingir que morro em compassos certos, e depois volto sempre à vida, de forma menos superficial. Talvez um dia me deixe ficar, no silêncio tumultoso das almas tingidas.


5 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 7 de junho de 2011
O som terminava de forma dramática, e eu parava por momentos. Já não me importava. A minha imagem de felicidade são pessoas-almofada às quais me posso agarrar para sempre. Tecidos fofinhos à alma. São mesmo pessoas de algodão doce, por esta característica de protecção adocicada. São pequenos fios de lã nos quais me posso embaraçar à vontade sabendo que continuo segura. Portos de abrigo que guardo junto ao coração. Pessoas de algodão, 
que me parecem sempre gigantes de ferro.



9 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 2 de junho de 2011
- Sou menina de biblioteca.
- De sonhos recortados, amores gritantes. Becos de insignificâncias. Mediocramente doseada de compaixão. Fátua, inconstante. De sabores e texturas. De canções a compasso incerto. Ilusões fortes, desejos altivos. Antíteses.
- Sou de duas faces, e não tenho problemas em admiti-lo: papel de lustro e ferro, extremos necessários.