Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






3 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 30 de abril de 2011
- A chuva não cessa, o coração também não. A apatia quebra por momentos e dá lugar a um sentimento oco. Não é desprovido de conteúdo, é apenas irrelevante.
- Amor?
- Cru, despido. Na sua forma mais bruta. Mesmo assim não ocupa lugar. É um sentimento-fantasma, sabes?
- Dos que não se sentem na sua plenitude. Que nos tocam por momentos, com uma intensidade superficial.



3 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 26 de abril de 2011
A busca incessável do movimento. Já se nasce assim, com esta espécie de veneno no sangue. Já se nasce com esta maldição. O contacto das almas. O que é, o que poderia ser. A crueldade da beleza pura. A respiração ofegante. Os corações pingando sangue. Por fim, a exaustão. Morta no palco. A busca, a descoberta, revelaram-se inúteis. Tudo foi arrancado do corpo com sucesso. Foi um espectáculo bonito. A morte dá sempre ênfase à vida.



7 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 24 de abril de 2011
- Se fosses uma flor, eras o quê?
- Não sei, inventava uma. Não tinha muitas pétalas, como as rosas. Quatro chegavam. E era carmim. Ou azul-bebé. Há alguma assim? Eu quero azul-bebé.
- Não sei, deve haver. E o que ias fazer como flor?
- Sei lá, ia só esperar que alguém pegasse em mim e  me achasse bonita.
- Podia ser eu?
- Podias. Mas ias meter-me onde?
- Ia levar-te sempre comigo.
- Mas eu ia morrer.
- Eu arranjava um copo pequenino para te meter.
- E andavas mesmo sempre comigo?
- Andava.



6 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 21 de abril de 2011
- Tinha saudades tuas, lis. É como se carregasses os meus sonhos ao colo. Quando tu vens, eles também voltam sempre. 
- Eu não deixo eles irem embora mais.
- Eu também não.



4 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 19 de abril de 2011
Aqui as paredes cobrem-nos os sonhos e o chão derrete solidões.
Inês, estúdio, 01 de Março de 2011.



8 Cubos de gelo
Comenta


sábado, 9 de abril de 2011
- Quais seriam as tuas últimas palavras para o amor da tua vida?
- «Tive saudades tuas a minha vida inteira.»





4 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 7 de abril de 2011
- Gostas de te apaixonar por ti mesma?
- Sabe-me melhor do que quando me apaixono por outros. É aquela proximidade indestrutível, incrivelmente forte. É quando a felicidade sobrepõe todos os outros sentimentos possíveis. Como se estivesse a ser enrolada num cobertor muito apertado, que me protege mais do que alguma vez alguma pessoa o fez. São as alturas em que o mundo fica tão mais bonito, por termos alguém com quem o partilhar. Por termos mais aquele bocadinho de nós que desconhecíamos. Por nos sabermos um bocadinho melhor. Por termos aprendido a viver mais um bocadinho.





4 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 5 de abril de 2011
Estavas linda. Os fios de cabelo desordenados teimavam em esvoaçar-te para a face, atraídos pelas duas bolas pretas brilhantes que tens no lugar dos olhos. Sorrias em demasia. A minha alma estremecia só de te ver fazê-lo. Disse-te que parecias assustada e abraçaste-me. Sempre gostei particularmente dos teus abraços, por nunca serem capazes de fingir nada. És tão forte o tempo inteiro, mas partes-te em pedaços quando te aperto com força. A tua fragilidade embebeda-me o corpo e fico a ser forte por ti um bocadinho. Beijei-te o ombro ao de leve, com demasiado cuidado, para que nem sequer reparasses. Suave, como quem brinca com uma rosa. Secreto, que a coragem apouca-se sempre que estás por perto.



6 Cubos de gelo
Comenta


segunda-feira, 4 de abril de 2011
- Gostas de alguém?
- Tento sempre fugir a esta pergunta dizendo que gosto de muita gente. Apaixono-me todos os dias por pessoas, gestos e palavras diferentes. Mas nunca definitivamente. Por isso começo a achar que também eu não sou feita para amar alguém do jeito que se ama. Se calhar sou mesmo o tipo de pessoa provisória de quem não se consegue gostar durante muito tempo. Se calhar a minha inconstância é demasiado acentuada para ser suportável. Se calhar sou como as flores, demasiado efémera. Não é fácil amar-me. Talvez nem seja mesmo possível.



15 Cubos de gelo
Comenta


sexta-feira, 1 de abril de 2011
No fundo no fundo sei que ainda gosto e irei sempre gostar de ti um bocadinho simplesmente por me seres muito confortável, por me deixares ser eu e pronto. Não há sorrisos forçados, movimentos premeditados. Sou só eu, no meu aborrecido e apático ser. Hei-de ter-te sempre como sinónimo de porto de abrigo, se não te importares.
Inês, 22 de Março de 2011.