Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






25 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 6 de outubro de 2009
Fazes um enorme esforço para me ignorar. Até para mim, que nunca acredito no que me contam sobre a tua pessoa, torna-se óbvia a tua preparação mental para me enfrentar todos os dias sem uma única ruga de expressão nesse tão (im)perfeito rosto.
Sabes, também eu me esforço. Esforço-me para fingir que não reparo, talvez. Mas bem tenho visto esses óculos que insistia de 5 em 5 minutos que usasses sempre contigo. Achava sinceramente que te ficavam bem. Conferiam-te aquele ar intelectual que estava em perfeita sintonia com a parte que tentavas extreminar de ti: a que mais amava. Mas claro que estavas em desacordo, odiava-los. E no que toca a esses assuntos somos tão semelhantes que sabia perfeitamente que tentar fazer-te mudar de opinião seria impossivel, inútil e desnecessário. Por isso limitava-me a pedir que os metesses, com a cara encantadora que aprendi a fazer contigo. Pois bem, na verdade não o pedia só por capricho de te ver com eles: o sorriso que fazias quando repetia essa frase constantemente até os pores é que me fazia derreter mais que a manteiga.
Agora, não me atreveria a dizê-lo de novo, traria demasiado de volta. Mais do que podemos aguentar, mas do que eu posso aguentar.
Bem reparo no esforço que fazes para me mostrar como te rendeste, como todos os minutos que passei a insistir valeram a pena e agora andas sempre com eles.
(...)

Mas depois olhaste para mim e senti a mágoa e a derrota no teu olhar. Pousaste os óculos de vez. Acabou.