Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






27 Cubos de gelo
Comenta


terça-feira, 24 de novembro de 2009
Aqui fica um pequeno teste. Não, asério, deixaste-me curiosa hoje. Quero saber se estas palavras soltas te chegam mesmo ao ouvido, como afirmaste. Se tal for verdade, foda-se. Não quero. Esta não sou eu. Esta é a parte de mim que não conheces. Que não é suposto conheceres. A racional. A “séria”.
Hoje ficaste chateado por me ver com ele. Desculpa. É-me dificil afastar todos para te manter a ti perto sabendo que irás embora de novo. Vais voltar a partir vais, por mais que eu queira acreditar quando dizes que agora ficas para sempre. Não é justo que abandone assim as pessoas que me colocaram um sorriso nos lábios no tempo em que tu saíste discretamente, sem nenhuma explicação. Que disseram que tudo ia ficar bem. Mas eu percebo-te, asério que sim. [e nem te atrevas a chatear-me dizendo que asério não é uma palavra, é assim porque eu quero e pronto.] Sempre houve entre nós aquela insegurança, sempre um 3º ou mesmo 4º elemento que criava o mítico ciúme. No teu caso, o ciúme é perfeitamente desnecessário, injustificável. Se eu fosse mesmo capaz de gostar de outra pessoa há muito que tinha abandonado tudo isto, não ficava aqui à espera que voltasses sempre que ficas 'confuso'. Tinha ido embora há muito. Sem o tal beijo de despedida de que a Gabriela fala. Sem sequer olhar para trás. Mas não consigo, não consigo..
ps: porra, era suposto isto ter ficado bonito.
pps: não interessa, o importante é que leias.
ppps: estás a ler?
pppps:se estiveres, amo-te.