Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






9 Cubos de gelo
Comenta


domingo, 1 de novembro de 2009
Porque tu às vezes deixas-me assim, sem saber o que pensar. Quando tens atitudes que se afastam ligeiramente das a que me habituaste e que denomino de 'normalidade'. Pequenas coisas que me fazem cair inevitavelmente naquele estado de tristeza dormente. Em que praticamente não sinto nada.
Procurei então a pessoa que me ocupava as tardes nas férias, a quem eu recorria quando negava a mim mesma pousar de novo a minha mente nas nossas recordações. Quando pensar em ti 12 horas por dia se tornava insuportável.
Ao início, tive mesmo muito medo da sua reacção. Não tinha ficado muito feliz quando anunciei que o meu mundo tinha voltado a girar à tua volta. Decerto não o teria dito se tal não se tivesse tornado inegável e se não soubesse que 'amiga' nunca foi o cognome que ele me quis atribuir.
Recebeu-me com um 'diz meu amor' que não tinha segundos sentidos ou intenções ocultas. Que me soube bem. Mas eu na verdade não queria dizer nada. 'fala comigo, simplesmente.', pedi. Porque sabe bem ouvir vozes familiares agora que me voltei a perder no teu sorriso. Saber que eles estão lá sempre. Mesmo quando tu me faltas. Principalmente quando tu me faltas.