Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






17 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 3 de dezembro de 2009
Estava envolta num mar de sorrisos pintados, passos mal dados por gosto ao engano e gritos produzidos em êxtase de alegria. Agora encontro-me nas ruínas das nossas brincadeiras. Avalio o estrago, e lá esboço um sorriso leve de vez em quando ao descobrir que nem tudo foi levado pela tempestade. Pequenos fragmentos permanecem, peças soltas de um puzzle que teima em não se completar. Vou saltitando por estas ruas que antes tinham um sabor especial e matizes bem mais vivas. Vou saltando para contrabalançar a mágoa que elas transmitem agora. Eu bem digo que não, mas sabes, ainda tenho medo de monstros. Daqueles que me assolam quando tu desapareces. Têm medo de ti, porque me proteges de tudo (menos de ti mesmo, mas isso é outra história) Só aparecem quando vais embora. Monstros daqueles que não se parecem com et's nem animais feios, não são verdes nem grandes, não têm uma voz assustadora nem olhos aterrorizadores. 
Daqueles que são impossiveis de vislumbrar mas levam parte de mim em cada investida. Dos quais me escondo debaixo da cama, mas que me encontram sempre e causam alergia nos olhos e aperto no peito...
Fica aqui e não os deixes voltar.
Fica aqui, para eu ficar uma menina crescida e deixar de ter medo do escuro. Para que não haja escuro sequer.