Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






15 Cubos de gelo
Comenta


quarta-feira, 30 de dezembro de 2009
Tenho pena de ter deitado fora as folhas que utilizei na primeira vez que escrevi sobre ti. Eram palavras suaves, simples mas mantendo sempre o seu natural complexo, pensamentos que preciso de cravar com o lápis no papel. Eram a enumeração de todas as qualidades que te conhecia – que não eram nada comparadas com as que te conheço hoje – eram a perfeita descrição da tua aparência, dos teus gestos, do teu ser e do impacto que tudo isso tinha em mim. Essas palavras que eram a minha forma mais completa de pensar, como sempre a escrita o é. Escrevinhava linha após linha, parágrafo atrás de parágrafo, mantendo o mesmo ritmo acelerado com que começara. E continuava, incessantemente, na esperança de que fosse na próxima linha que encontrava a explicação para tudo aquilo. A esperança de que fosse a próxima linha a explicar a actual. Procurava uma simples justificação para o facto de me teres cativado, de modo a fazeres-me escrever sobre ti para que pudesse pensar realmente.
E olha que passadas essas oito páginas ainda foram preciso muitos sorrisos, muitas ocasiões e decerto também muita ausência para decifrar o porquê disso acontecer.
Eu até te diria qual é, mas perderia toda a piada.