Informação

Chama-se inês com i pequeno e um dia vai ser bailarina de caixa de música ou cinderella profissional. Não gosta de palhaços e tem pavor a machucares de coração. Gosta de decalcar sentimentos e remexer em entranhas. Quando fica nervosa morde o lábio inferior ou finge tocar piano nas pernas. Tem o coração pequeno e os olhos grandes, tem os olhos muito grandes.

Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Abril 2013 Julho 2013 Abril 2014



arquivos

links

formspring youtube feridas no joelho da maria, com amor dancemearoundtenderly@hotmail.com






5 Cubos de gelo
Comenta


quinta-feira, 25 de março de 2010
«-Estás a chorar porquê?
-Porque sim. Sabes que eu choro porque sim.
- Não, desta vez não. Tu estás a chorar porque eu te aleijei
O uso daquela expressão enterneceu-me. Sabias como a utilizava quando me atrapalhava e as palavras escorriam por entre os dedos. Quando queria explicar quanto mal me tinhas feito mas magoar parecia uma palavra inapropriada. Então afirmava que me tinhas aleijado muito, para tentar esconder bocadinhos de dor que eram visíveis aos teus olhos, palpáveis ao teu ser. Não quero que me vejas fragilizada. Não quero que vejas como tilinto à tua passagem e como com um simples toques conseguirias habilmente partir os ossos do meu corpo. Tu não me conheces medo porque eu não te mostro medo. E se eu te dissesse que estou completamente aterrorizada neste momento? Dirias que não fazia mal e abraçavas-me para que o medo se dissipasse entre o som da tua voz e o eco dos teus movimentos?
Um dia, dir-te-ei.  Sussurrar-te ao ouvido o quando me magoaste com todos os teus actos desprovidos de objectivo, como a tua indiferença me feriu.
O quanto me aleijaste.
Estou consciente de que isto não prestou, sim